27 de fev de 2009

listras

repare nas tuas muitas manias
tábuas corridas seguindo a mão
única do assoalho apesar da obsessão
(infantil) de abstrair um padrão
no sinteco ou no verniz da porta
onde nunca se coloca ou range
um do not disturb da tua parte
e se nas comparações saber perder
faz bem pro melhor lado
seja este o seu
anseio de encontrar nos meus
dentes lado a lado com teu tato
um paralelo para o universo
já que os anéis de saturno estão
nos nossos mamilos dessalgando
e estourando nos meus dedos
dez rolhas nos teus poros
para colher no gargalo
um copo de pró-seco

11 de fev de 2009

quando moleque

regava meu machismo

com mijo em todos os

postes enquanto voltava

de asa delta do barbeiro

.

hoje

no cio

coço por dentro

a nuca e o sangue

que esquenta e sobe

por todas as minhas cabeças

que ainda se perdem

na tentativa de te fazer uma

delicadeza qualquer

9 de fev de 2009

confecção das sereias


.

i.

tolas as esquinas

dobram-se ao teu cruzar

de pernas e labirintos

.

ii.

em listas e estampas

escamas e descosturas

desmascara os nós do rabo

.

iii.

fecunda mouriscos

e amamenta medusas

com litros de silicone

.

iv.

harpeja na ostra

um psytrance para adestrar

tubarões e crocodilos

.

v.

teu tango rasgado

sampleia ondas e bainhas

com agulhas entre os lábios

2 de fev de 2009

nenhuma reflexão

meditação ou dor

leva mais a querer

um motivo qualquer

de catalepsia que

a pequena cova

que se abre no teu

queixo quando

diz sorrindo “to morta”