30 de abr de 2009

Tarantella - parte 2

ii.

.

as semelhanças e afinidades eram efetivas
Giácomo foi irmão de Gioconda que
queria antes de ter se envolvido meio
que sem querer meio que gostando muito
ser amiga de Bernardo o primo de Juca
que amava desde menino Gioconda
e jurava que era porque ela tinha mãos
pequenas e dedos curtos ah! e uma boquinha!

.

Juca amava rusticamente a indelicadeza
de Gioconda apesar de sua voz afetada
mas o que o feria de fato era o fato dela
não dar bola pra ele como era de se esperar
de uma mulher tão além de seu tempo

.

e fazia questão de manter todos os relógios
adiantados e apressava todos os gestos de
afeto inclusive os mínimos alentos afastando
de Juca a chance de fazer surpresas e isso
Juca odiava e amava e era louco e viraria
capacho pra ela pôr a chave por baixo para
poder entrar e fazer café e waffle e chocolate
frio pois era disso que ela gostava de manhã

20 de abr de 2009

Tarantella - parte 1

i.

.

o dia de amanhã para Gioconda Alvitre

era contado com alpendres que plantava

como grãos de alpiste aos pássaros

que pousariam desditosos em seus galhos

.

a épica que contava com sua mania

de natureza era tão bonita quanto sua

profissão de contar histórias de um

passado que não teve receio de não

ter sido verdadeiro embora por horas

ouvintes acrescentassem cem outras

histórias dessas deveras verossímeis

.

suas e de outrem decerto algum

ex-namorado ou X-Man o que não

se separa facilmente na maioria das

vezes como se distinguem sempre água

e azeite aceite sua incompatibilidade

3 de abr de 2009

Baixo Gávea

no baixo em época de cio enquanto o pombo engatilhava migalhas

presas no bico seco sobre o carpete os dedos rijos do moleque

estilingava seu vídeo-game (alheios) o nosso peito que não é feito só

de peidos ou intestinos em intervalos mínimos de um triz qual ecos

de pólvora e tecos de bolas de gude dará pulinhos e o tiro de partida

para o ataque cardíaco em disparos semi-automáticos sem pulso ou

misericórdia e daí o relógio não quer e não vai parar de dar corda

mais em seus cronômetros e fusos para o tempo curar tudo feito à

semelhança de um deus que tudo pode até mesmo tirar o domingo

(porque eu também sou filho de deus) em um mundo onde querer

muito é perder o pouco e ainda assim se nós por parcos segundos

evitarmos a água fria do balde não é certo prevalecer o efeito de um

sol que mesmo que a noite queimando a pino não dissolva nossos

frios estalos de humor cujos efeitos não durarão mais que o inverno

lembrem estamos em estado de sítio

1 de abr de 2009

Pepita

ao modo sertanejo

Quando teus dedos garimparem

no molhado fundo da peneira

um cisto fosco de alegria

(ou um basta para os gazes e a úlcera

que no fim dos cálculos dá no mesmo)

da sua sarna em carne viva e coceira

sairá um raro núcleo de sol tampado

de céu só maçarico e insistência no dito

que o dia está lindo como você nunca

e que ainda assim seca na saliva

e é só riso frouxo e melodia fraca

e melodrama que aguarda no fim

da palavra fim um gosto de gim

na falta que me faz uma pinga